segunda-feira, 7 de março de 2016

O despertar indesejado

O dia está tão lindo lá fora, por que então não me levanto para aproveitar? O céu azul tão vivo, as nuvens brancas como algodão. O sol, ah lindo sol, esse brilhava como a muito não fazia. Os pássaros cantavam nos fios da rede elétrica a linda manhã de março que reinava. Acompanhava tudo da cama, observando o que a claridade do vidro permitia.
A vontade era de levantar, colocar uma música divertida no celular e espreguiçar. Fazer do dia um lindo dia, Porém, não tinha vontade de se mexer. Olhos ardiam devido ao choro que teve durante a madrugada e o corpo encolhido estava visando, de certa forma, algum tipo de acolhimento.
O coração apertava, batia fraco, sem vontade. Ficar tanto tempo na mesma posição lhe resultou em um corte interno na boca, devido ao aparelho e o atrito da pele com o travesseiro. Os lençóis todos enrugados e as cobertas todas tortas. Mesmo assim a hora passava e passava e a vontade de sair da cama era cada vez menor.
Se viu obrigada a sair quando precisava fazer o almoço. Não para si, na verdade não sentia fome nenhuma, mas por conta de terceiros precisava levantar. Não era preguiça, não era sono, não era enrolação. Era apenas sua alma sem vontade de viver, seu corpo já havia enfim desistido da vida. Não precisava mais de motivação, no fim, talvez seu jardim estivesse secado.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Yoo...