sábado, 6 de fevereiro de 2016

A solidão sempre irá retornar

O céu era azul e o sol estava extremamente quente. Apesar de o ar estar parado e seco, era notável algumas raras brisas fresquinhas que passeavam pelos fios úmidos de meu cabelo, dando uma sensação de frescor bastante agradável. Algumas pelagens dos braços arrepiavam com a tal sensação, expulsando o ar de doente que havia adquirido nos recentes dias.
Os olhos fechados nada notavam além de uma faixa vermelha, crendo eu ser a pele. Ao fundo os pássaros cantavam e cachorros latiam, podia ouvir com clareza. Imaginava, sem perceber, como estava sendo cada ocasião e assim passei a vagar pelas ruas, casas, carros e cidades. Onde minha mente pensava, minha alma realizava o desejo de estar ali.
Nada dura para sempre, logo o bem estar tornou-se um breu vazio e sem cor. Algumas lágrimas rolaram mesmo eu não querendo que elas estivessem ali. A solidão me consumia lentamente, perfurando feridas já cicatrizadas e "esquecidas". Uma dor tão inimaginável que não havia forças nem mesmo para segurar um soluço.
Dizem que tudo que vai volta, e é verdade. Um dia eu me libertei de vidas passadas e sorri de verdade, mas chegou o momento de aceitar que esses tempos passaram até eu me agarrar a uma nova ilusão temporária. A dificuldade dessa vez é que eu não quero voltar, não agora pelo menos. Porém como se lutar quando já não há nenhum sinal de esperança para você? Engraçado como tudo muda, você acorda em um sábado de manhã e percebe que nada mais é ou será como naquela sexta.
Dar adeus sempre foi algo difícil para mim, contudo dizer olá a coisas que eu jamais pensei ter de reviver é ainda pior. O que me resta, não é mesmo? A vida é feita de aceitações quando você se curva para tudo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Yoo...