segunda-feira, 14 de dezembro de 2015

Um texto sobre a morte

"Se a morte é um descanso, prefiro viver cansada", esse era o discurso que a vó dele defendia veemente desde que ele, meu amigo idiota, se entendia por gente. Como um furacão que passa destruindo tudo que vê pela frente, nós três descobrimos uma doença já avançada em nossos avôs - avó no caso dele. Foram em torno de três a quatro meses para cada, até que a morte os levasse para um passeio sem volta.
A gente pensa que apenas nós podemos entender o que é passar por isso, mas com outros depoimentos percebemos que não. Existem muitas pessoas que também vivem o luto e para cada um é de uma forma diferente de absorver. Meu amigo idiota há pouco me contou sua experiência, ela sempre fazia piadas sobre a morte e já havia dado sustos sobre isso três vezes, o que carinhosamente me lembrou a vovó Chiyo do anime Naruto.
Mesmo no leito de morte ela não parou de brincar. O irmão do meu amigo idiota colocou a musica do "Alto da Compadecida" e ela brincou com os dedos para logo após sorrir. Então ela apertou a mão de sua filha e chamou pelo marido, que confortavelmente disse "vá em paz e com Deus, descanse agora" e enfim ela teve seu último suspiro e seus olhos perderam o brilho. De frente ela estava meu amigo idiota tendo sua pior experiência de vida, segundo ele mesmo me afirmou.
Engraçado a morte. Curioso as visitas no mesmo período de tempo. Triste o luto, que levam os melhores tão cedo. Literalmente algo que não indico nem para meu pior inimigo. Doce morte, Sr. Rorin, agradeço por livrá-los do sofrimento que é esta doença, mesmo a gente querendo muito continuar ao lado deles. É difícil aprender a conviver com esse tipo de saudade, mas acredito que não nos resta outra alternativa agora. Cuide bem deles onde quer que esteja.
No fim, como disse uma grande amiga: a carne perece, a alma é eterna. O fim de todos nós é o mesmo, precisamos apenas encarar isso e saber compreender que um dia também seremos levados. Nada de choro ou sofrimento, tudo tem seu tempo e sua hora. Talvez o conselho "viva hoje como se fosse o último dia" nunca fez tanto sentindo quanto agora.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Yoo...