sábado, 22 de agosto de 2015

Estrelas ao meu redor

Hoje as estrelas brilham mais intensamente na negritude infinita do céu. É gostoso admirá-la do meu quintal, imaginando se você também está as notando onde quer que esteja. A quietude da cidade me acolhe intensamente, os pensamentos voam livremente por cada esquina sem interferência de terceiros, me lembrando de quando não havia nada além de poeira reprimida.
Estar bem ou estar triste... Não sei dizer. Há um contra peso constante na balança de fatos bons e ruins. Pensar demais é o meu grande defeito. Vejo cometas onde não existe enquanto que não noto a bela lua crescente que se encontra dentre a poucas nuvens.
Quantas estrelas dessas já morreram? Quantas mentem suas idades, enganado-nos com falsa luz? Talvez eu seja como uma, prestes a cair a todo instante. Tudo o que queria é uma estrela cadente e desejar não ficar só. Não enquanto eu souber que nada ficará bem definitivamente...
A nostalgia esta escancarada na minha fuça. A novela que há muito marcou tantos fatos degradáveis da minha pré-adolescência está de volta assim como tudo da época. Os estilos de décadas passadas estão presentes desde a moda a filmes, até animes, influenciando inclusive a literatura. Para muitos isso não passa de fatos incongruentes entre si, mas para mim é uma chance de reparar erros do passado - que há muito pedi a uma estrela prestes a morrer que me concedesse a chance de ser madura com rais fatos. A questão é, estou sendo madura? Mudei algo? As vezes acho que não, as vezes sim, um mau de fazer parte de Libra.
Astros, tantas coisas me ferem. Acho que talvez eu seja feita de folha de ceda... Tantas pequenas feridas rodeiam a minha mente, ofuscando a luz intensa do céu. Coisas tolas, irrelevantes, a ponto de chatear qualquer um que tente ouvir. Mas se uma jornada de mudanças não forem tomadas então não haverá cola o suficiente para tantos rasgos.
O cheiro da grama me parece doce, o orvalho me cobre aos poucos. Sinto que brevemente a flor irá desabrochar. Tenho medo desse desabrochamento, mas anseio pelo perfume que talvez a mesma proporcione, seja ele feito de amores ou podridão.
Abro os olhos novamente. Eterna criança, a Terra do Nunca me espera? Quem sabe... Esteja onde estiver eu lhe peço: olhe para este céu. No compasso da noite será nossa fotografia eterna, purpurina dos deuses - ou apenas alguns extra terrestres que não falaram oi ainda!
Quanta filosofia para apenas um céu a noite de final de inverno... Estrelas brilhantes, elas possuem este poder.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Yoo...