terça-feira, 21 de julho de 2015

Nevasca cinzenta

A atração do céu foi maior, paralisando o olhar para céu cujo era totalmente carregado. O cheiro de terra molhada inundava suas narinas e o gélido vento, que bagunçava seus cabelos despenteados, congelava até a mais amarga alma que ali estivesse vagando no momento.
As nuvens cinzas pareciam tão atraentes naquele pequeno instante. Observou os tons e sobre tons de tristeza que ali haviam, se perdendo em diversos devaneios e lembranças que tais a proporcionava. Sorrindo timidamente, estreitou o olhar para um estranho cisco que caíra do céu lentamente em espirais. Esticando o braço e abrindo a palma da mão direita, pode notar que era resíduos de queimado que o vento trazia de alguma região longínqua.
Achando curioso, a soprou para longe até a mesma terminasse seu percurso no chão. Logo notou que outros resíduos iguais aqueles caíam também, em uma espécie de nevasca de cinzas. Caçando uma por uma que vinha em sua direção, e as "jogando fora" logo depois, começou a se questionar: de onde vinham? Por que foram queimadas, afinal? Seriam vegetações? Se sim, de onde?
Ao jugar pela localização atual, talvez viesse de algum terreno baldio ou apenas algum pasto qualquer que precisava "ser limpo". Isso, claro, desfigurou sua empolgação, porém não o bastante para terminar com a magia do momento.
A nevasca aumentava a cada segundo. A nevasca brasileira é cinza, concluiu por fim. Em seguida alguns pingos de chuva começam a bater no chão e em sua pele propriamente dita. Gelada e fria. Foi questão de pouco mais que trinta segundos para a mesma cair fortemente, afogando totalmente a cinza em poças que se formavam instantaneamente. Era o choro da natureza lamentando aquele fato insignificante.
A água pura tornava-se suja aos poucos, diluindo toda aquele pó negro. Ambas eram tristes se fundiam num resultado amargo. A linha da vida talvez fosse assim, ou talvez não. Tudo indicava que ainda havia motivos para mudar ao notar um leve arco-íris no céu ao horizonte, distante feito desejos. Sem dúvida alguma aquele fora um belo fim de tarde. Sem por-do-sol, mas ainda assim com sua beleza.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Yoo...