terça-feira, 19 de maio de 2015

Doce recomeço de voltar para a casa

Atravessar aqueles portões, nunca pensei que um dia voltaria ali novamente. Já fazia um ano que jurei nunca pisar ali, mas cá estava eu, pisando naquele solo molhado pela mansa chuva gélida de fim de outono. Muitas dúvidas surgiam, medo e incertezas. Seria certo estar ali?
Assinar os papéis com a mão tremendo, juro-te que não era frio. Caminhar por ali, ouvindo dois gatos pingados miar "ela voltou?" e aquela sensação estranha de que a qualquer momento alguém apontaria o dedo para mim, me julgando sem buscar me entender. Apenas queria me esconder, ser invisível talvez.
Logo o sinal tocara e os olhares reduziram aponto de eu realmente ser notada apenas pelos professores e uma amiga, a amiga por assim dizer. Ninguém melhor do que ela naquele momento. As duvidas passaram quando no corredor ouvi meu nome e lá estava, minha pequena, minha doce amiga de sangue. Um abraço apertado e então eu tive certeza: foi a coisa certa.
Muitas coisas nessa minha vida de dezessete primaveras se passa, desde de a dor de um possível coração partido a enfrentar uma mudança de escola pela segunda vez. Sei que deixei muitas coisas para trás, perdendo muitas chances felizes e só tenho a agradecer por toda a experiência que tive nesse um ano fora, porém é hora de "voltar para casa", mostrar que mudei e amadureci, quer eles queiram ou não. Não me abaixarei mais, é uma promessa, apenas serei como sempre fui e pronto. Será meu doce recomeço.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Yoo...